End: Av. Elísio Teixeira Leite, 7737 – sala 05 – Parada de Taipas – Z/N – São Paulo – SP
(11) 3542-2098 / Segunda à Sexta-feira 08:00 às 12:00 e 13:30 às 18:00hs

Tecnologia, Mercado de trabalho

20151231-153916
ex2
0

O avanço da tecnologia vai mudar a dinâmica do mercado de trabalho e até 45% das atividades feitas por profissionais podem ser automatizadas nos próximos dois ou três anos, fazendo com que a tecnologia substitua as tarefas cognitivas e as manuais para que as pessoas possam assumir tarefas não rotineiras e funções mais satisfatórias.

As informações são do estudo “A Revolução das Competências” do ManpowerGourp, que foi apresentado no Fórum Econômico de Davos na semana passada.

Apesar do provável aumento das máquinas no ambiente de trabalho, 64% das empresas afirmaram que o número de empregados não deve mudar, 19% pretendem aumentar a força de trabalho, 12% pretendem diminuir e 5% não sabem.

Com a automação, três entre quatro líderes empresariais acreditam que a automação exigirá novas competências nos próximos dois anos. “A tecnologia irá substituir atividades que são rotineiras e consideradas mecânicas. Para o profissional é esperado um escopo muito forte da competência e característica humana como criatividade e inteligência emocional, que favorece as relações humanas e a flexibilidade cognitiva, que é uma competência de encontrar e identificar caminhos voltados para as condições de relações e negociações”, ressalta Márcia Almström, diretora de RH do ManpowerGroup.

A pesquisa também mostra as áreas que terão aumento de demanda nos próximos anos. Tecnologia da informação é o setor com a maior previsão de crescimento, de 26%. Em seguida estão: recursos humanos (20%) e linha de frente/ foco no cliente (15%). Na outra ponta, entre as áreas com menor perspectiva de crescimento estão: finanças e contabilidade (1%), produto e gerenciamento (4%) e administração e escritório (5%).

Deixe um comentário